quinta-feira, janeiro 27, 2022

Reajuste médio dos trabalhadores fica em 6,5% até novembro, abaixo da inflação do período

Embora o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) tenha acumulado 8,4%, em 12 meses até novembro ano passado, o reajuste médio obtido pelos trabalhadores por meio de negociações coletivas foi de 6,5%, segundo o “Salariômetro” da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Ou seja, a maior parte dos reajustes não foi suficiente para cobrir a inflação média entre janeiro e novembro.

No ano passado, 51% das negociações salariais fechadas até novembro ficaram aquém da inflação, 30% empataram e 19% superaram.

A queda no rendimento médio dos trabalhadores ocupados também já havia sido captada por dados do IBGE. Em apenas um trimestre — encerrado em outubro de 2021 —, o recuo foi de 4,6%, ou R$ 117 a menos em relação ao recebido no trimestre encerrado em julho.

Em relação ao trimestre encerrado em outubro de 2020, a renda média encolheu 11,1% (R$ 307 a menos), para o piso histórico de R$ 2.449 mensais. Segundo o IBGE, há mais pessoas trabalhando, mas o salário está cada vez mais baixo, em função tanto da concorrência pelas vagas que surgem quanto pela inflação elevada que corrói o poder aquisitivo dos brasileiros que possuem algum tipo de remuneração.

Negociação setorial

As negociações no setor de serviços, com destaque para turismo e hospitalidade, são as que encontraram maiores dificuldades no ano passado para repor as perdas provocadas pela inflação, segundo o “Salariômetro”, da Fipe.

De 18 negociações salariais fechadas em novembro envolvendo bares, restaurantes, hotéis, similares e diversão e turismo, o reajuste mediano ficou 3,7% abaixo da inflação. No caso de lavanderias e tinturarias, por exemplo, essa defasagem foi ainda maior, de 4,1%.

Até mesmo os 14 acordos salariais fechados em novembro último no setor de agricultura, pecuária e serviços correlatos (segmentos que registraram crescimento econômico) tiveram reajuste mediano: 0,6% abaixo da inflação.

Com o desemprego elevado, o cenário de reajustes salariais fracos deve continuar ao longo do primeiro semestre deste ano por conta da inflação em 12 meses ainda elevada e da desocupação em alta.

Fonte: Extra escrito por Assessoria Renata

Últimas Notícias

Visitas presenciais de gerentes estão suspensas no Banco do Brasil

A direção do Banco do Brasil suspendeu, desde a semana passada, todas as visitas presenciais de gerentes de pessoas jurídicas para evitar...

Trabalhadores criticam trabalho aos sábados e pedem à FENABAN reforços no combate à pandemia

A representação CONTEC esteve reunida nesta terça-feira (18/1) com a Fenaban para tratar das medidas preventivas de combate à proliferação do vírus...

EDITAL DE CONVOCAÇÃO: ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA BANCO XCMG 19/01/22

SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS DE VARGINHA E REGIÃO ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA VIRTUAL EDITAL DE...

BANCO DO BRASIL: Pandemia (ômicron) e Gripe Influenza

Em reunião realizada na tarde desta quinta-feira (13/01), os negociadores do BB debateram com a Comissão Nacional de Negociação da CONTEC questões...

Surtos de covid e influenza provocam escassez de mão de obra no país

A variante ômicron da covid-19 segue fazendo estrago na força produtiva brasileira. Diversos setores registram afastamento em massa de funcionários infectados pelo...