quarta-feira, maio 22, 2024

Itaú é condenado a pagar R$ 10 mil por liberar consignado com assinatura falsa de cliente

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) condenou o banco Itaú a indenizar em R$ 10 mil um cliente que teve um empréstimo consignado creditado por meio de uma assinatura fraudada. O valor foi depositado em uma conta do consumidor, que ele não sabia que tinha, em outra instituição financeira.

A 15ª Câmara de Direito Privado entendeu que houve fraude, primeiro, por conta da diferença evidente entre a assinatura lançada na documentação para autorização de crédito e aquela que consta no documento de identidade do cliente.

Além disso, o contrato foi intermediado por um correspondente bancário que reside no município de Saquarema, no Rio de Janeiro, enquanto o consumidor mora em Ribeirão Preto, no estado de São Paulo.

Correspondentes bancários são pequenas corretoras que atuam em lugares afastados dos grandes centros urbanos, garantindo a capilaridade dos bancos sem a necessidade de novas agências.

Especialistas alegam que a atuação de correspondentes bancários na concessão de empréstimo consignado muitas vezes viola o direito do consumidor, sendo essas corretoras responsáveis pela maior parte das fraudes de empréstimo não autorizado.

De janeiro a junho deste ano, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça, registrou 28.608 queixas sobre empréstimos consignados, das quais 5.011 relativas a créditos não contratados ou reconhecidos.

No caso analisado pelo TJSP, o consumidor argumentou ainda que nunca recebeu o valor do empréstimo, apesar dos descontos na sua folha de pagamento.

Em resposta, o Itaú anexou um comprovante de transferência via TED no processo, alegando que o consumidor havia transferido o dinheiro para uma conta no Bradesco, que ele não sabia que existia. O Bradesco negou a existência dessa movimentação.

Procurado, o Itaú respondeu que mantém um processo de melhoria contínua para a oferta e contratação de crédito consignado, que atualmente é totalmente digital e efetuado pelo cliente.

Sobre o caso em questão, o banco informou que os empréstimos foram contratados em 2017 e que não houve nenhuma reclamação por parte da cliente nos canais internos. “O banco tomou conhecimento da insatisfação somente na ação judicial proposta em 2020 e cumpriu a sentença em março deste ano”, concluiu.

Em março, o Itaú cancelou os descontos na conta do consumidor. Agora, deve restituir o cliente lesado, assim pagar os danos morais.

O Bradesco preferiu não se manifestar.

Fonte: O Globo

www.contec.org.br

Últimas Notícias

AGU vai usar inteligência artificial para revisar benefício negado pelo INSS, diz Messias

Um novo projeto prevê que a Advocacia-Geral da União, por meio de uma programa de inteligência artificial, revise uma negativa do INSS a um...

ONU adota primeira resolução global sobre inteligência artificial

A Assembleia Geral das Nações Unidas adotou nesta quinta-feira (21), por unanimidade, a primeira resolução global sobre inteligência artificial para incentivar a proteção de...

Trabalho forçado e exploração sexual movimentam mais de R$ 1 bi por ano em todo o mundo, diz relatório da OIT

A exploração sexual é uma atividade ilegal, execrável, visada, mas muito lucrativa. E responde por uma parcela significativa dos casos de...

Declaração pré-preenchida do IR 2024 começa em 15 de março

A declaração pré-preenchida do Imposto de Renda 2024, ano-calendário 2023, vai ser liberada pela Receita Federal a partir de 15 de março, quando...

Câmara aprova projeto que isenta de IR quem ganha até 2 salários mínimos

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou na noite desta terça-feira (12) um projeto de lei que isenta de Imposto de Renda quem ganha até...