quarta-feira, maio 22, 2024

Bancos passam a compartilhar entre si informações sobre golpes

Bancos e demais instituições reguladas pelo Banco Central passam, nesta quarta-feira (1º), a ter de compartilhar entre si informações sobre golpes. A prática visa reforçar a prevenção de fraudes.O número de crimes virtuais explodiu desde as medidas de isolamento social no enfrentamento da pandemia de Covid-19 e se mantém em patamares elevados.Os cibercriminosos brasileiros, em geral, preferem aplicar golpes mais simples contra pessoas físicas que podem ser reproduzidos em maior escala.A troca de dados será feita em sistema eletrônico. A resolução conjunta foi estabelecida em maio e as instituições financeiras tiveram seis meses para se adequar, o que incluiu receber a anuência de clientes para registrar as informações.Nas últimas semanas, os bancos enviaram informes de atualizações nas políticas de privacidade, em sinal da corrida para aderir ao novo regulamento.Os seis maiores bancos de varejo atuantes no Brasil confirmaram à Folha que já concluíram os preparativos necessários para aderir ao sistema de compartilhamento de dados.BANCOS COM MAIS CLIENTES NO PAÍS1.   Caixa Econômica Federal150,4 milhões2.   Bradesco104,5 milhões3.   Itaú99,9 milhões4.   Nubank77,7 milhões5.   Banco do Brasil74,6 milhões6.   Santander64,4 milhõesA Febraban (Federação Brasileira de Bancos) e a Zetta, entidade que representa 31 startups com atuação no setor financeiro, afirmam que todas as suas associadas também vão aderir à medida.Pelas normas, os bancos terão de compartilhar, no mínimo, informações de pagamento sobre:

  • transferências entre contas na própria instituiçãoTEDs (transferências eletrônicas disponíveis)transações de pagamento com emprego de chequePixtransferências por meio de DOC (Documento de Crédito)boletos de pagamentosaques de recursos em espécie
  • As instituições financeiras também compartilham informações sobre abertura de conta de depósitos ou de pagamento, prestação de serviço de pagamento, manutenção de conta de depósitos ou de pagamento e contratação de operação de crédito.O acesso às informações ajuda as instituições financeiras na construção de diretrizes internas não só na prevenção de fraudes, como também na hora de reembolsar clientes lesados.Além disso, essas empresas usam sistemas de inteligência artificial para calcular riscos ligados às transações. Assim, quanto mais informações houver, maior é a precisão desses algoritmos na hora de bloquear operações fraudulentas.Instituições financeiras participantes da Febraban já compartilhavam dados de crimes financeiros entre si, em um sistema mantido pela entidade, a partir de acordos firmados com a Polícia Federal.Com a nova norma, fintechs, empresas de pagamento e de crédito não filiadas à entidade terão acesso ao novo sistema. Entre as seis maiores instituições financeiras do país no atendimento a pessoas físicas, apenas o Nubank não é filiado à Febraban.A entidade que reúne fintechs sem vínculo com a Febraban, Zetta, afirmou que o novo sistema era uma de suas demandas prioritárias e disse que a medida também promove equidade entre equipes de cibersegurança de empresas de diferentes tamanhos.A Febraban também defendeu a implementação do novo regulamento do BC, em função da garantia de um respaldo legal no compartilhamento de dados sobre fraude entre as instituições financeiras.Procurado, o Banco Central disse que todas as informações sobre o novos regulamento e sistema estão disponíveis em seu site.As entidades ouvidas pela Folha também citam como vantagem do novo sistema a obrigação de interoperabilidade, em que as empresas terão de adotar padrões comuns de dados e comunicação. Essa prática impulsiona a inovação ao facilitar o acesso a diferentes atores.A Zetta afirmou que esse acesso e a transparência seriam ainda maiores, caso o acesso a esse sistema fosse aberto a entidades não reguladas pelo BC. Um exemplo disso é a base de dados de transações feitas por Pix, o Dict (Diretório de Identificadores de Contas Transacionais).A própria Zetta reconheceu, no entanto, que manter um canal de dados disponível para mais pessoas elevaria os custos computacionais para o Banco Central.Fonte: Folha de S. Paulo www.contec.org.br

    escrito por Assessoria Igor

    Últimas Notícias

    AGU vai usar inteligência artificial para revisar benefício negado pelo INSS, diz Messias

    Um novo projeto prevê que a Advocacia-Geral da União, por meio de uma programa de inteligência artificial, revise uma negativa do INSS a um...

    ONU adota primeira resolução global sobre inteligência artificial

    A Assembleia Geral das Nações Unidas adotou nesta quinta-feira (21), por unanimidade, a primeira resolução global sobre inteligência artificial para incentivar a proteção de...

    Trabalho forçado e exploração sexual movimentam mais de R$ 1 bi por ano em todo o mundo, diz relatório da OIT

    A exploração sexual é uma atividade ilegal, execrável, visada, mas muito lucrativa. E responde por uma parcela significativa dos casos de...

    Declaração pré-preenchida do IR 2024 começa em 15 de março

    A declaração pré-preenchida do Imposto de Renda 2024, ano-calendário 2023, vai ser liberada pela Receita Federal a partir de 15 de março, quando...

    Câmara aprova projeto que isenta de IR quem ganha até 2 salários mínimos

    O plenário da Câmara dos Deputados aprovou na noite desta terça-feira (12) um projeto de lei que isenta de Imposto de Renda quem ganha até...