banner 1.png

Custos com CPA 20 serão ressarcidos pela Caixa

A Caixa Econômica Federal informou na sexta (8) que vai ressarcir o valor gasto com o Certificado Profissionalizante (CPA-20) aos bancários que são substitutos eventuais e que integram o bancos de sucessores. Antes, esse direito só atingia aos empregados com cargos gerenciais. A novidade está na versão atualizada do Manual Normativo RH 142.
O CPA–20 é uma certificação com o objetivo de elevar o conhecimento dos profissionais e melhorar a qualidade do mercado de investimento.
Parte do Programa de Certificação Continuada criado pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), o CPA 20 é obrigatório para o bancário que ocupa ou deseja ocupar cargo de gerente geral de agência.
 
Diretoria Executiva da CONTEC

 


CAIXA informa MPT que vai contratar concursados

A Caixa Econômica Federal, representado por seus advogados, se reuniu com a procuradora Ludmila Reis Brito Lopes, do Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal (MPT-DF).
A reunião preparatória foi solicitada pela empresa pública, com o objetivo de construir caminho para Acordo no âmbito das duas ações judiciais que tramitam contra a empresa na Justiça do Trabalho do Distrito Federal.
Segundo seus representantes, há consenso na diretoria jurídica da entidade para a busca da resolução do conflito. Na mesma linha, a Presidência da Caixa afirma que se dispõe a pôr fim nas Ações e destaca que a intenção do novo Presidente é de repor a força de trabalho da empresa com novas contratações, respeitando o concurso público e o chamamento dos aprovados nos Editais 001/2014-NM e 001/2014-NS.
Os certames ainda estão válidos em razão da atuação do MPT-DF, que pediu no Processo, a suspensão da validade dos concursos até o trânsito em julgado da Ação.
Também, conforme seus advogados, ainda não há um quantitativo de contratações definidas, mas o objetivo é convocar, de formar escalonada, “o maior número possível sem que ultrapasse os limites estipulados pela SEST”.
Outro ponto da pauta da reunião tratou da convocação de Pessoas com Deficiência (PcD). Segundo os advogados da empresa pública, a CAIXA pretende convocar os concursados da lista de PcD em percentual superior aos 5% previstos no Edital.
Para a procuradora Ludmila Reis Brito Lopes, a atitude da direção da CAIXA em procurar o MPT “é muito bem-vinda”, assim como a intenção de buscar a solução do conflito.
Ficou acertado que a CAIXA vai submeter a questão aos órgãos de governança, enquanto o MPT buscará uma posição institucional para definição dos termos de um possível Acordo.
A CAIXA também deve apresentar uma minuta de proposta de Acordo, englobando as duas ações movidas pelo órgão ministerial.
Diretoria Executiva da CONTEC

 


Caixa bate novo recorde e lucro em 2018 supera R$ 15 bilhões

Depois de surpreender e registar lucro de R$ 12,5 bilhões em 2017, a Caixa Econômica Federal volta a fazer história em 2018. O lucro do banco vai superar a marca de R$ 15 bilhões. Um novo recorde.
Técnicos da estatal que trabalham diretamente com o fechamento dos números acreditam que o lucro do banco vai ficar entre R$ 15,5 e 16,5 bilhões.
O resultado da Caixa está baseado em três fatores: aumento da receita com prestação de serviços, redução de despesas administrativas – principalmente, o alívio na folha de pagamento com a saída de quase 3 mil bancários – e aumento da intermediação financeira.
O resultado oficial deve ser divulgado em março.
PLR
Pelo Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), o banco tem até o dia 30 de março para efetuar o pagamento.
A PLR na Caixa é composta pela regra básica Fenaban (90% do salário base), mais parcela adicional de 2,2% do lucro líquido dividido (pelo número total de empregados em partes iguais) e PLR Social.
Diretoria Executiva da CONTEC

 

Itaú lucra R$ 25,7 bilhões em 2018, alta de 3,4% em um ano

Carteira de crédito avançou 6%, considerando empréstimos em outros países que banco atua (Tássia Kastner)
O lucro líquido do Itaú Unibanco somou R$ 25,7 bilhões em 2018, alta de 3,43% na comparação com 2017. No quarto trimestre, o resultado do banco foi de R$ 6,48 bilhões.
Em termos percentuais, foi o crescimento mais modesto entre os pares privados: o Bradesco lucrou 13% mais no ano passado, e o Santander, 24,6%. O Banco do Brasil divulga resultados na próxima semana.
A receita total do Itaú, medida pelo produto bancário, somou R$ 111,8 bilhões no ano passado, alta de 2,3% na comparação com 2017. Considerando apenas a receita com crédito, o faturamento foi de R$ 63,6 bilhões.
O banco destaca ainda o crescimento nas receitas com prestação de serviços, as tarifas, que cresceram 6,3%, para R$ 35,1 bilhões. O avanço percentual é superior à inflação do ano passado.
“O principal destaque positivo foi o crescimento de 6,5% da receita de prestação de serviços principalmente em função das receitas de banco de investimento, de administração de fundos e de cartões de crédito”, escreveu o Itaú em relatório.
A carteira de crédito do Itaú, considerando apenas os dados de Brasil, fechou o ano em R$ 473,8 bilhões, crescimento de 4,2% em 12 meses.
O avanço foi puxado pelas concessões a pessoa física, especialmente na linha de cartão de crédito, e nos empréstimos a micro e pequenas empresas, o que ajudou a compensar a redução dos spreads (a diferença entre o custo de crédito e quanto o banco cobra do cliente). Esses segmentos costumam ter taxas de juros mais elevadas que as cobradas de grandes empresas, para quem os empréstimos continuam a encolher.
“Apesar da redução dos spreads no ano, o maior volume de crédito e o melhor mix de produtos levaram ao crescimento de 2,2% da margem financeira com clientes em relação a 2017”, diz o banco.
A carteira de crédito total, incluindo outros países nos quais o Itaú opera, avançou 6,1%, a R$ 636,9 bilhões.
O Itaú reportou redução de 15% nas despesas para cobrir possíveis calotes, que somaram em 2018 R$ 16,1 bilhões. No ano, o banco conseguiu ainda recuperar R$ 3,7 bilhões em empréstimos baixados a prejuízo (+12,5%), reduzindo o custo do crédito em 21,9% no período.
Na passagem do terceiro para o quarto trimestre, porém, o custo do crédito teve uma elevação. O banco atribuiu a um imparment, que equivale a uma provisão para inadimplência aplicada a para títulos de dívida. O caso está relacionado à operação de banco de atacado no Brasil, que não foi detalhada.
Fonte: Folha.com
Diretoria Executiva da CONTEC

 

Bradesco pagará PLR no dia 6 de fevereiro

Atendendo pedido da CONTEC, o Banco Bradesco informou que vai antecipar a PLR no próximo dia 6 de fevereiro. A confederação enviou a todos os bancos do sistema financeiro ofício solicitando o pagamento antecipado dos valores da PLR.
Conforme o Acordo Coletivo, as instituições podem fazer o pagamento até o dia 31 de março.
 
Diretoria Executiva da CONTEC

 

2013 © Desenvolvido por